BBB 18, Jéssica e o machismo nosso de cada dia

Foto: Reprodução
Se você acompanha ou não o Big Brother Brasil, com certeza você já leu sobre algum burburinho do mais novo casal polêmico da casa: Lucas e Jéssica. Acontece que eles não são assim tão casal... O Lucas é noivo e tem um compromisso com uma mulher fora da casa. A Jéssica também namora, mas chegou dizendo que não teria problema se ela se envolvesse com alguém.

Na última semana, a cantora Simone (da dupla de coleguinhas Simone e Simaria) disse que era bom que a Jéssica levasse uma “surra” fora da casa para aprender a respeitar homem casado. Ela prontamente gravou outro vídeo dizendo que tudo não se passava de uma brincadeira e que, obviamente, as pessoas deveriam levar as coisas um pouco mais na brincadeira.

Surras a parte (ou não, porque violência é inaceitável!), a internet e toda audiência do Big Brother Brasil 18 está dividida em quem está certo e quem está errado nessa história. Jéssica a cada dia que passa investe cada vez mais no boy e Lucas se divide sempre entre lágrimas de saudade da noiva e carícias com a Jéssica (que envolvem muito além do que o horário me permite dizer, mas não tem beijo, porque, afinal, ele é noivo). A noiva do Lucas (ou já seria ex?) pouco se pronuncia sobre o caso.

Tal situação escancarou uma verdade que com certeza já vivemos ou sabemos quem vive no dia-a-dia: o machismo e o peso da atitude para cada um dos envolvidos nessa história. Jéssica é constantemente lembrada como vagabunda, destruidora de lares, puta e diversos outros adjetivos horrendos que vemos por aí, enquanto Lucas segue sendo o boy gostoso que está simplesmente curtindo a permanência na casa (nós fomos mesmo ensinadas a achar que a carne de homem é mesmo fraca né?!).

Arrisco dizer, inclusive, que quando o casal sair do Big Brother Brasil (o que não deve demorar, porque, francamente, nenhum dos dois vai ganhar esse jogo), a culpa aqui fora vai recair em grande escala sobre a Jéssica novamente. Porque, de acordo com os olhos vendados pelo machismo de muitos, ela provocou, atiçou, pressionou e viveu uma história de amor proibida.

Receio dizer também que poucos lembraram da liberdade que o Lucas deu, dos limites que ele magicamente esqueceu de impor e vão acabar acreditando na justificativa clássica: tudo lá dentro é diferente e, por isso, ele não merece ser julgado pelo o que fez. Comprovando, pela milésima vez, o privilégio que o machismo traz à tona em casos como esse.

Certo ou errado (na verdade, de certo não tem ninguém!), meu coração se entristece mesmo é de pensar no que a noiva do Lucas está pensando, vivendo ou sentindo aqui fora da casa, vendo quem lhe prometeu amor com outra pessoa em rede nacional. Que o machismo não pese nas costas dela também, amém.

Postar um comentário

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados à Dreisse Drielle. Layout feito com por Odd